FAZENDA AREIAS

FAZENDA AREIAS - MUNICÍPIO DE CANTAGALO (DISTRITO BOA SORTE)
 
Infelizmente não pude fotografar outras partes externas da propriedade, a proprietária não autorizou, é uma fazenda lindíssima e a mais completa da região da época.
 
Segue alguns dados do INSTITUTO CIDADE VIVA que estão fazendo inventários das fazendas de época de varias regiões, muito boa a idéia de manter vivo essa história, varias fazendas podem ser encontradas no Google só por o nome da fazenda.
 
HISTÓRICO
Banhada pelo ribeirão de mesmo nome, a Fazenda de Areias era a principal das demais vinte fazendas que
Antônio Clemente Pinto, 1° barão e conde de Nova Friburgo, possuía em Cantagalo, substituindo a Fazenda
Santa Rita nesse papel.
Grande administrador e dono de imenso tino comercial, o barão amealhou uma das maiores fortunas do país.
Entre suas obras, destacam-se a construção da ferrovia que ligava Niterói a Cantagalo, e daí, a Itaocara e
Portela; o Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, que durante anos foi sede do governo do país; e o Palacete
ou Solar do Gavião, em Cantagalo, a sede mais imponente das fazendas locais, em estilo neoclássico, que
hospedou a princesa Leopoldina e o conde d’Eu.
Para a construção da sede da Fazenda de Areias, em meados do século XIX, o barão contratou os serviços do
engenheiro holandês Jacó Van Erven, que mais tarde se tornou seu sócio e administrador de várias fazendas
da família. Van Erven cuidou do projeto e administrou a construção, utilizando mão de obra europeia, como
canteiros portugueses, resultando em uma das mais belas casas de morada em estilo colonial de toda a região,
com belíssimas proporções, trabalhos em cantaria e carpintaria, e expressivos murais em seu interior.
Além da sede, a Fazenda Areias possuía um formidável conjunto produtivo que contava com armazéns,
 
engenhos, máquinas de beneficiar café, uma usina elétrica de 56 cavalos de força, mais de 600 mil pés de café,
 
grandes lavouras de cana e de cereais.
A propriedade media 947 alqueires, dos quais 100 de terras em várzeas. Antes mesmo da chegada do trem a
vapor, havia uma pequena ferrovia particular de tração animal, de 0,80 m de bitola e 8 quilômetros de extensão,
que ligava Laranjais a Areias, passando por outras fazendas do barão, para escoar o café e os cereais colhidos
nessas fazendas.
 
Quando ele faleceu, deixou um legado a seus dois filhos, Antônio Clemente Pinto Filho, 2° barão de Nova
 
Friburgo e futuro conde de São Clemente, e Bernardo Clemente Pinto Sobrinho, que se tornaria conde de
Nova Friburgo: uma fortuna extraordinária que contava 2.183 escravos avaliados em 1.999.200 contos de réis,
5.904.000 pés de café e 9.840 alqueires de terras localizadas em Cantagalo (6.860 alqueires), Nova Friburgo
(2.080) e São Fidélis (900). A avaliação total de seus bens chegou a 6.909.371,780 contos de réis.
 
Na partilha dos bens, a Fazenda de Areias coube a seu filho, Antônio Clemente Pinto Filho, 2° barão, visconde e
 
depois conde de São Clemente, capitalista que terminou as obras da ferrovia iniciadas pelo pai. Ao se aposentar,
em 1888, foi morar na fazenda.
 
Por morte do conde, em 1912, Areias foi herdada por sua filha, Maria José de São Clemente, casada com o
 
Dr. Augusto de Faro Carvalho. Herdeiro deste último, Edgard Faro manteve a propriedade por muitos anos,
vendendo-a depois a Bernhardt Winkler, criador de gado Guzerá.
 
O próprio Winkler acabou vendendo-a, e assim ela passou por vários proprietários que não conseguiram
 
preservar seus prédios, como o lindo armazém, maior do que a sede, que chegou a ser uma fábrica de coches
do conde de São Clemente, ou o enorme tanque coberto, todo em pedra e com colunas de pedra, onde diz-se
que os escravos se lavavam.
 
Atualmente a Fazenda de Areias pertence a Sra. Sílvia Oliveira, que a vem restaurando
 
O complexo da Fazenda Areias contava, ainda, com diversas outras fazendas de instalações menores, porém
grandes em extensão de terras, de forma a intensificar a produção. Quando desejava estar perto da produção, o
barão de Nova Friburgo, então proprietário, hospedava-se na Fazenda Areias.
 
 
1As sementes da alfarrobeira (Ceratonia sílica) foram, durante muito tempo, utilizadas para medir o peso do ouro e diamantes. A unidade
 
 
quilate (carat) era o peso de uma semente de alfarroba, que tinha seu peso sempre igual. A alfarrobeira, originária do Mediterrâneo, produz
vagens comestíveis semelhantes ao feijão, de elevado valor nutritivo (superior ao cacau) e com muitas propriedades medicinais. Hoje
produz-se chocolate de alfarroba.
 
 

 
FICA O MEU PEDIDO A Sra. SILVIA OLIVEIRA, DEIXAR FOTOGRAFAR SUA FAZENDA

0 Comentários:

Postar um comentário

Twitter UpDate